A acne é um dos problemas mais emblemáticos da adolescência, iniciando-se no período da puberdade, chegando a atingir 80% dos jovens de 15 a 25 anos, segundo dados do Ministério da Saúde. Mas muitas vezes perdura na fase adulta, com estimativas que chegam a metade da população. Enfim, as indesejadas espinhas afligem diferentes públicos, afetando principalmente a autoestima.

Para auxiliar nesta luta, acaba de chegar ao Brasil um novo e exclusivo tratamento para se juntar aos já existentes, que incluem medicamentos orais e tópicos, cremes, loções, sabonetes, entre outros do arsenal. A novidade agora é um procedimento que consegue mimetizar o efeito que os lasers produzem na pele em outras situações. É a Tecnologia de Alta Florescência (AFT) que, por meio de filtros acoplados, possibilita a modulação e o controle do comprimento de onda. Isto significa que poderá ser utilizado em diferentes tons de pele, sem causar queimaduras e pode ser usado em todos os níveis de acne, até mesmo os casos mais severos. 

Os lasers, de uma forma geral, agem atraídos por algo específico, de forma seletiva e inteligente. Por exemplo, laser para depilação é atraído pelo pigmento do pelo (melanina), laser para varizes são atraídos pela hemoglobina, laser de CO2 para rejuvenescimento facial atua nas moléculas de água. O Acne Lux, como é chamado o novo tratamento, é atraído pelo sebo que serve de ambiente para o desenvolvimento das bactérias responsáveis pelo surgimento da espinha.

“As glândulas sebáceas produzem oleosidade e acabam por entupir os poros e se tornar um ambiente propício para o desenvolvimento da bactéria chamada propionibacterium acnes. Ela é altamente resistente, inclusive a antibióticos. O que fazemos é elevar o sebo a altíssimas temperaturas, fazendo com que morra”.

De forma bem prática, é como se “fritasse” a bactéria. O óleo natural da pele é aquecido até que ela morra. Mas, o especialista ressalta que apesar desse superaquecimento, o procedimento é indolor e o calor é imperceptível graças à ponteira de aplicação que é gelada. Outro motivo é a combinação da fluorescência com radiofrequência, que impede a perda de calor nas camadas superficiais da pele. As técnicas combinadas trazem maior conforto e eficiência, uma vez que toda a potência emitida chega ao seu destino.

Além disso, não deixa marcas e vermelhidões. “Os primeiros resultados são visíveis 24horas após a aplicação. A espinha desaparece e é perceptível também controle da oleosidade que a técnica proporciona. E sem sinais na pele. Para situações inesperadas, como por exemplo uma noiva que está às vésperas do casamento e se vê com uma espinha, pode ser uma boa alternativa”.

Por se tratar de um procedimento estético não-invasivo e que dispensa ações medicamentosas ou anestésicas, não há contraindicações. Adolescentes já com os primeiros sinais de acne, pessoas de diferentes tons de pele, mulheres com desequilíbrio hormonal, entre outros, podem se beneficiar da novidade. Mas o especialista alerta que se trata de um procedimento paliativo. “Em muitos casos, a acne é a resposta do organismo a um outro problema, que pode ser uma alimentação inadequada, estresse, alterações hormonais, etc. Por isso recomendamos que este seja um procedimento complementar ao tratamento global da acne”.